sexta-feira, 16 de abril de 2010


SERÁ TARDE DEMAIS?
Guida Linhares

Os anos passaram rápidos demais
e agora sou este bicho, um misto de animal e homem,
trazendo no peito um coração amante,
desejoso das mais profundas sensações,
desabrochadas em sentimentos
que vagam dispersos
entre as quimeras e os sonhos,
apenas e exclusivamente,
tendo como alvo maior,
reavivar a chama do amor e da paixão,
que ainda arde e queima
este pobre coração.

Já te vi passar...
linda com este andar malemolente,
entre curvas sinuosas e retas diretas,
que me levam a sonhar acordado,
como seria contigo deitado,
realizando fantasias
as mais deliciosas
que pode
conceber
a nossa imaginação,
quando estimulada em doce ação!

Fico te olhando de longe.
A minha timidez e receio,
são tão fortes como um freio,
que me impede a aproximação.
Mas quando meu olhar,
pousa em teu corpo de sedução,
esqueço tudo,
fico em um estranho transe,
misto de encantamento e puro tesão.

Então meu coração pergunta?

Será tarde demais?

Para que eu possa te estreitar em meus braços,
sentir-te em profundos beijos e fortes abraços,
percorrermos juntos todos os espaços,
formando assim deliciosos laços.
Será que ganharei estes sonhados espaços?

Pelo sim, pelo não...
continuo com meus olhos famintos,
sorvendo meus licores de absinto,
tendo você na imaginação,
bela, carente, apaixonada,
desejosa de estar comigo,
vivendo a mais profunda emoção.

Santos/SP/Brasil
23/01/08


(Poesia a pedido de um amigo)


quinta-feira, 15 de abril de 2010


AVENTUREIRA DA NOITE
Guida Linhares

E o sono não vem nesta madrugada,
e me ponho a cismar com as estrelas
Serão elas felizes ou prisioneiras,
de um céu escuro e taciturno.

Saio à rua e procuro a lua
que se esconde em densas nuvens
que vão passando ligeiras
encobrindo a sua luminosidade.

Alço voo na imaginação,
e me vejo na abóbada celeste,
tão perdida quanto a lua e as estrelas.

E de repente sou jogada do infinito
ao macio lençol da cama.
E voce ali estava o tempo todo...
mas eu a cismar com a noite
nem te vi.......nem te amei!

segunda-feira, 12 de abril de 2010

MARGARIDAS NA JANELA
Guida Linhares

Sou o sereno que brilha em tua fronte,
quando nas noites frias tu me abrigas,
em teus braços que mais parecem um monte
que recebe meu corpo, livre das cruéis urtigas.

Minh`alma de ti cativa só se alegra,
quando chegas com teu largo sorriso.
Olho para dentro de mim; um receio que medra,
talvez a sentida despedida após teres me dado o paraíso

Me presenteastes as mais lindas flores que sonhei,
em tantas madrugadas de carinhoso afago,
foram tantas e tão perfumadas que me acostumei,
a buscá-las no céu estrelado do teu imago. *

Banharei os teus pés, para livrar-te do cansaço
da tua lida diária, em perfumadas águas de rosas,
olhando-te nos olhos, sonhando com o teu regaço,
pouso seguro para o meu coração em polvorosa.

Beijo as tuas mãos, tal qual imaginastes,
neste amante solo que enfim enseja,
os sonhares que sempre desejastes,
em fazer de mim a tua adorada princesa.

Da solidão que tanto te preocupa,
prisioneiro da saudade passageira,
tens em mim um calmo querer que ocupa
o teu coração.Sou da tua alma companheira.

Do jardim das ilusões sou a singela margarida,
sustentada pela haste que é o teu carinho.
No mal me quer, bem me quer a preferida
do teu universo, tu que és da poesia doce escaninho.

Serei gotas de orvalho da noite, mesmo que não queiras;
nas longas madrugadas à beira do rio que serpenteia,
entre as tantas quimeras causadoras de cegueiras.
Mas nossos olhos serão o espelho que nos clareia.