quinta-feira, 8 de abril de 2010


ESCREVER FAZ BEM...
Guida Linhares

Há quem diga que não gosta de escrever. Porém quase sempre movido por um conjunto de fatores, como histórico de vida, educação e cultura, além de receios como o de se expor, e assim a pessoa se furta a colocar no papel ou no teclado, pensamentos, sentimentos e emoções que se transformam em verdadeiras descobertas, até para si mesmo.

A escrita atua como uma catarse, colocando para fora conteúdos por vezes guardados no fundo do inconsciente, e que são responsáveis muitas vezes, por reações inesperadas e atos intempestivos.

Através do ato de escrever, ainda que não se publique, a pessoa pode se conhecer melhor e perceber que há coisas que pode mudar ou pelo menos tomar conhecimento e refletir sobre o assunto.

Os pensamentos são voláteis, nem sempre provocam emoção suficiente para se fixarem na memória e muitas vezes um bom lampejo se desperdiça, simplesmente porque não foi escrito ou digitado.

Assim, quem nunca o fez, que comece a escrever. Pode escolher uma palavra, se concentrar um pouco nela, deixando que as letras tomem forma e sentido.

Trata-se de um ótimo exercício para a mente e a memória, na preservação de uma boa qualidade de vida.

Santos/SP/Brasil
06/04/10


segunda-feira, 5 de abril de 2010


PÃO COM VINHO
Guida Linhares

Ah! Que saudades eu sinto
dos tempos que era criança.
Do cheiroso vinho tinto,
de sabor de temperança.

Meu avô pegava o pão,
afundando bem na taça.
Balançava com a mão,
em estado até de graça

E do naco bem gostoso,
era a hora preferida.
Relembrando bem saudoso,
a sua Itália querida.

E eu menina curiosa,
que queria experimentar.
Perguntava toda prosa:
-Vovô, posso saborear?

Com carinho ele me dava,
um naquinho da lembrança,
Delícia que eu provava,
mesmo sendo criança.

Hoje sou eu que sinto,
daquele tempo, saudade.
Do pão com vinho tinto.
da infância de felicidade!

Santos/SP/Brasil
17/12/04