quinta-feira, 24 de julho de 2008

ROMANTISMO POÉTICO



DE QUERER-TE ASSIM...

Guida Linhares


A vida foi arrancando pouco a pouco todas as melhores ilusões.
E num barco à deriva, a âncora foi jogada nas profundezas
para que nunca mais se voltasse a sentir o aquecer de corações
que batem em uníssono, quando envolvidos em suas certezas.

Pensava-se que tudo o que tivesse de sentir ou vivenciar,
já estaria cristalizado no percurso, em passado tranqüilo;
apenas revolucionado pelos desencontros do diferente sonhar,
entre duas criaturas que muito se amaram, mas em diferente estilo.

Quis o destino que os caminhos se tornassem paralelos,
e nada mais houvesse que unisse de novo a fragmentada relação.
Se de um lado o desejo de mudanças fez romper os elos,
do outro lado, não houve como evitar a cruel decepção.

E foi um tempo enorme de tristezas e lágrimas derramadas,
em que nada parecia fazer sentido, apenas as obrigações
mantiveram acesas a chama da vida, em quimeras tragadas,
ao longo das noites insones, mergulhada em recordações.

Contudo bem lá no fundo do coração a luzinha da esperança
teimava em bruxulear no candeeiro da bendita renovação.
Ainda que céus e terra contribuíssem para manter a crença,
de que o viver partilhado é preferível ao enfrentar da solidão;

ainda assim, o tempo foi passando sem um novo momento.
Aqui e ali, amizades se solidificando, porém o amor escondido.
Eis que de repente, um perfil, um rosto, um sutil sentimento,
fez-se presente. Um suave perfume em doces palavras retido.

A magia se fez novamente inundando a alma que se alegrou,
por redescobrir-se em vestes douradas de expectativas,
por olhos amorosos e bocas sequiosas, que o desejo despertou,
através de encantadores enlevos ou em deliciosas prosas festivas.

Hoje a espera ansiosa pelas horas compartilhadas,
move a emoção em seus enfeitiçadores e sutis matizes.
Nas longas noites, não existem mais ânsias desesperadas,
mas o sentir dos corpos sutís enroscados em profundas raízes.

Às vezes, a saudade é tanta que chega a doer o peito,
pois a distância louca nos separa. Reaprendi a amar.
Se um dia acreditei piamente não haver nenhum amor perfeito,
de querer-te assim...passo as horas do dia a contigo sonhar.

Quero agradecer aos céus, ter conhecido alguém tão especial.
Estar compartilhando tantos momentos, sem nem saber exatamente,
o que nos moveu, se atração ou apenas o cultivar de uma amizade virtual.
Agora sinto que o acaso resgatou um desejo de amor, unindo mente e coração.

Mas como todo sonho termina, o nosso também chega agora ao término fatal.
Nem sempre aquilo que o coração deseja, encontra a sonhada guarida.
Talvez o vento soprando em direções contrárias, num tempo ainda ocasional ,
mostre que na escalada de nossas melhores ilusões, torna-se inevitável a partida.


Santos/SP/Brasil


4 comentários:

ubbalda disse...

Uma vontade determinada pode promover um happy end.

Pelos caminhos da vida. disse...

Atráves de outro blog...

Cheguei até o seu...

Me encantei com ele...

Voltarei aqui...


beijooo.

RESSACA disse...

Aqui nasceu o Espaço que irá agitar as águas da Passividade Portuguesa...

jokerine disse...

este está muito romantico. quero ler mais destes. fico a espera