segunda-feira, 2 de junho de 2008

PRESENTE DO CORAÇÃO





"DE CORDIS" *

Guida Linhares



Quando agraciados pelo amor,
nossos olhos só veem a beleza
que se desprende da criatura amada,
e mil sóis acendem todas as sutis emoções.

Ainda que o amado seja feio ou tenha defeitos,
o amor se reveste da mais pura beleza
e a nós, aquela pessoa parece perfeita
alma gêmea, companheiro da eternidade.

Mas os anos passam e nós mudamos.
Aquela pessoa amada também muda,
se reveste de outras nuances e matizes
e a ponte que os unia ameça desmoronar

Já não temos mais a vontade de namorar.
Os traços de carinho e ternura de outrora
ficaram no passado, entrelaçados em lembranças.
Nosso coração não mais acelera, nem falta o ar.

Parece que o amado se integra de tal maneira
a nossa essência e corpo, que passa a fazer parte
integrante de todo nosso ser como um patrimônio
sem mais riscos, nem mistérios, nem expectativas.

Não mais o despetalar mal me quer, bem me quer..
O amado ali está muito ao alcance da mão,
que tantas vezes acaba ficando em segundo plano
sem os cultivares necessários a que a flor não murche.

Às vezes penso, que a rotina mata a flor do amor.
E se parte em busca daquele ser tão amado,
dos tempos de outrora e não reconhecemos mais
como nosso enamorado, o que ali se encontra.

É quando tentamos resgatar o velho sonho.
Investimos em diálogos, argumentos e tentativas
de que tudo volte a ser como era antes.
Mas nada muda, apenas o silêncio se apresenta.

Vã ilusão a nossa....por mais que nos debatemos,
por mais que busquemos equacionar a situação,
ela já se encontra totalmente fora de nosso controle
considerando que o outro nem quer mais tentar.

Buscamos aquele amor que foi desmedido,
aqueles beijos que nos deixavam sem fôlego,
os abraços, os desejos, o tesão que pede resolução
as tantas noites e dias em que respirávamos juntos no amor

E nada disso encontramos...apenas um vazio imenso
um desejo de que o outro desapareça da nossa frente,
com um piscar de olhos, pois aquele que ali está
não é mais o nosso desejado amante, nosso grande amor.

Contudo os vínculos que se formaram ao longo do tempo,
continuam a prevalecer, até mesmo depois da separação,
levando um certo tempo para se dissolverem completos,
trazendo a liberdade e tirando o sufoco do coração.


* DE CORDIS . Em latim significa de coração. O radical latino sobreviveu em “aCORDe”, bem como em “CORação”, “CORDIal” e “aCORDeão”.

Curiosidades

DECORAR (textos)
Memorizar com o coração ou seja tudo que nos emociona, fica melhor gravado pelos mecanismos da memória.

DECORAR (a casa)
Preparar com o coração, o local onde se mora, e nele se colocam todos os elementos que irão proporcionar prazer e alegria aos nossos olhos e daqueles que moram conosco ou nos visitam.

Santos/SP
18/02/08

http://www.guidalinhares.net
***

Um comentário:

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Guida, belíssimo poema... Adorei!!!
Beijinhos de carinho,
Fernandinha