segunda-feira, 10 de maio de 2010


DAS MÃES DO MUNDO
Guida Linhares

Queria fazer um poema diferente

que ecoasse em todos os corações
lembrando as mães do mundo,
que semearam e frutificaram,
mas ao passar do tempo,
ficaram no abandono.

Queria lembrar das mães,

encarceradas nos presídios,
por erros do seu passado.
Mas em seus dias de exílio,
choram por seus filhos,
que nem sempre as visitaram.

Queria pensar nas mães enfermas,

afastadas da família pela circunstância,
às vezes inertes na cama e dependentes,
fora do convívio e do afago familiar...
quando por muito tempo,
as visitas vão rareando,
e o coração se entristecendo.

Queria falar só da alegria,

das mães pertinho da prole,
mas penso nos filhos que moram longe,
sem poder neste dia especial,
abraçarem suas mãezinhas,
trocando todo o carinho.

Ainda me preocupo com as mães da rua,

com as mães pobres e renegadas,
com as mães estigmatizadas,
com as mães asiladas, com as mães aidéticas
e com tantas outras mães vítimas da violência,
das drogas, da falta de amparo e de emprego,
valentes guerreiras sobrevivendo à míngua.

Dia das Mães....o comércio lotado,

todos procurando um encantador presente!
Mas talvez o maior deles esteja inserido
em quatros palavras simples
mas riquíssimas em seu significado:

MÃE EU TE AMO


Quiçá todas as mães do mundo,

pudessem receber esta dádiva da boca de seus filhos....
com aquele abraço apertado e beijos doces,
acompanhando a mais singela emoção:
o encontro de dois corações entrelaçados num só!

Santos/SP/Brasil

08/05/10


Um comentário:

Sandra Art's disse...

QUE LINDO SEU POEMA NÃO TENHO
MAIS MINHA MÃE, FELIZ AQUELES QUE AS
TEM E CUIDEM COM MUITO CARINHO.
BJOS! AMIGA...