terça-feira, 1 de julho de 2008

O desabrochar das rosas


DOCE AMOR
Guida Linhares

Meu querido, me fazes feliz,
quando chegas com a tua doçura.
Que este bem querer seja a matriz,
de bons momentos, plenos de ventura.

Tanto tempo, estivestes tão perto,
e eu te via apenas como um amigo.
Até que fechaste a boca e decerto,
me fez pensar: o que se passa comigo?

Foram tantas as desilusões da vida,
que de repente perdi a esperança,
de achar um novo amor, uma guarida.
Mas os corações sabem da sua herança!

E assim, num dia em que não esperavas,
cheguei com as rosas rubras da paixão,
a te ofertar do jeito como desejavas,
há tanto tempo, numa doce materialização.

Agora sonhamos juntinhos, embora distantes.
E tu sussuras no meu ouvido, a todo momento:
- Meu amor maduro, seremos tão constantes,
como as rosas desabrochadas ao vento.

Santos/SP/Brasil
01/07/08

&&&



4 comentários:

Poemas e Cotidiano disse...

Que linda poesia minha amiga! Tao doce e tao meiga, como voce.
Voce eh uma mulher maravilhosa, e cheia de vida.
Um beijo carinhoso
MARY

antonieta disse...

Amadasão simplesmente lindas as suas poesias e as rosas hummmmm!!nem se fala,amo rosas.um grande beijo.Antonieta

ubbalda disse...

Por duas vezes, por caminhos e atalhos completamente diferentes chuguei a êste seu belo, romântico, alegre e...carinhoso blog. Então me atrevi a linka-la. Um grande abraço!

FERNANDA & POEMAS disse...

Ol� querida Guida, bel�ssimo poema, de nos tocar o cora�o... Adorei!!!
Beijinhos de carinho,
Fernandinha